Testemunho de vida



Ir. Claudete Lodi Rissini

Missionária Scalabriniana


A Igreja no Brasil dedicou o terceiro domingo de agosto para celebrar, agradecer e rezar pelas pessoas que se consagram a Deus no seguimento a Jesus Cristo. Eu, Irmã Claudete Lodi Rissini, Missionária de São Carlos Borromeo Scalabriniana, natural de Putinga/RS, pertenço a uma família de 7 irmãos, que junto com nossos pais aprendemos desde crianças a crescer na fé e no compromisso com a Igreja. Na família somos duas religiosas scalabrinianas, eu e minha irmã Maria de Lourdes, missionária “ad gentes” por mais de 30 anos, atualmente, faz sua missão na África do Sul, junto à Conferência Episcopal Sul Africana.

Neste ano me sinto feliz em poder partilhar minha experiência de 27 anos de consagração dedicados à missão no serviço evangélico da educação, na coordenação de catequese, no serviço com mulheres vítimas de violência doméstica e no serviço de acolhida e orientação aos migrantes e refugiados. Atualmente atuo como Assistente Social em nossa Instituição, na área de inclusão sócio educativa de alunos e famílias vulneráveis presentes em nossas escolas e centro assistencial e educacional.

No meu trabalho seguidamente encontro pessoas que me perguntam: “O que é ser uma irmã consagrada no mundo de hoje?” Logo perpassa no meu pensamento, como explicar de modo que as pessoas possam entender? Procuro dizer que Seguir Jesus Cristo é uma opção e estilo de vida, que se concretiza no cotidiano da vida, através do serviço na Igreja e no mundo. Em meu coração sei que procuro expressar esse chamado numa vivência radical do Batismo, através da profissão dos votos de Pobreza, Castidade e Obediência. Nós religiosos nos consagramos na presença da Igreja e de toda a comunidade, porque queremos servir aos irmãos mais pobres e necessitados como Jesus nos ensinou. Queremos seguir Jesus Cristo deixando tudo o que nos impede de sermos e estarmos livres para assumir com radicalidade a opção pelos pobres e abandonados, de modo que nossa vida seja a serviço do Reino, pois Cristo “abandonou a sua vontade para fazer a vontade do Pai”.

Na Igreja, há missões específicas que requerem um serviço generoso e disponível e o religioso(a) as assume de modo livre dedicando-se ao serviço do Reino segundo o carisma, missão específica de cada Congregação. O carisma-missão é inspiração do Espirito para o fundador de cada Instituto religioso, no meu caso, o Bem aventurado João Batista Scalabrini, fundador da Congregação das Irmãs Scalabrinianas, nos legou como carisma o serviço evangélico aos migrantes.

Hoje quero mais uma vez render graças a Deus pelo chamado a vida e pela consagração. Agradeço a Deus que mesmo não sendo perfeita, me coloquei a caminho como discípula do Senhor, procurando viver com fidelidade o chamado, servindo-o através da vida de oração, fraternidade e testemunhando-o aos irmãos e irmãs que encontro no dia-a-dia.

Poderia contar muitas coisas de minha vida e missão, porém nesse dia tão especial, gostaria de incluir, nesta ação de graças, todas as consagradas e os consagrados que servem a humanidade nos diferentes Carismas, em muitas partes do mundo. Muitos deles sofrem perseguição e continuam servindo com coragem e fé. Rezemos por todos eles e que Deus lhes dê a graça de continuar a profetizar. Quero parabeniza-los por sua dedicação e serviço junto aos mais sofridos da humanidade.

Quero concluir com a frase tão conhecida nossa: “a messe é grande e os operários são poucos”, e o Senhor continua a chamar. Rezemos para que os chamados tenham a coragem e a força de responder ao convite do Senhor da Messe e para aqueles que já iniciaram sua caminhada vocacional para que sejam perseverantes e fiéis à vocação de seguir o Senhor, pois “vale a pena deixar tudo para seguir Jesus”.





logo_cated.png